SETEMBRO AZUL

 

 Ao longo do ano, os meses são oportunos para marcar movimentos e chamar a atenção da sociedade para uma causa específica. No “Setembro Azul”, a comunidade surda recebe destaque, celebra suas conquistas e luta por mais avanços.

O mês é marcado por várias datas: no dia 10 foi celebrado o Dia da Língua Brasileira de Sinais; no dia 23 de setembro foi o Dia Mundial das Línguas de Sinais; no dia 26 é o Dia Nacional do Surdo e no dia 30 será comemorado o Dia Internacional do Surdo, e também é o Dia do Profissional Tradutor Intérprete de Língua de Sinais.

De acordo com o Censo Escolar da educação básica, em 2019 havia 64.546 estudantes surdos e deficientes auditivos matriculados na educação básica e 69 escolas especializadas no atendimento de estudantes surdos (sendo 41 delas da rede pública de ensino). O MEC trabalha a favor do reconhecimento da importância da comunidade surda e, também, da necessidade de políticas que garantam o direito de acesso à educação a essas pessoas. Para tratar desse assunto, o ministério conta com os trabalhos da Diretoria de Educação Bilíngue de Surdos (DIPEBS), da Secretaria de Modalidades Especializadas de Educação (Semesp).

“É uma grande satisfação trabalhar ao lado dos surdos, nas conquistas que [eles] estão concretizando na sociedade. Temos orgulho em ver o protagonismo surdo fluindo, pois a diretora de Política de Educação Bilíngue de Surdos, Crisiane Bez Batti, é uma pessoa surda, alegre, inteligente e muito capaz. Muitas sementes estão sendo lançadas e, brevemente, teremos frutos para apresentar”, disse a secretária de Modalidades Especializadas de Educação do MEC, Ilda Ribeiro Peliz. Atualmente, o ministério elabora a Política Nacional de Educação Especial (PNEE), em que estará contida a Política Nacional de Educação Bilíngue de Surdos, que irá destacar e reafirmar o direito à educação dos surdos.

Diretoria de Educação Bilíngue de Surdos (DIPEBS)
A Diretoria de Educação Bilíngue de Surdos (DIPEBS), que trata especificamente da comunidade surda, concentra esforços para proporcionar a construção de novas escolas bilíngues, além de elaborar documentos que norteiem a educação bilíngue de surdos. A DIPEBS também trabalha em articulação com estados e municípios para o desenvolvimento da educação bilíngue de surdos e para a construção de uma formação inicial e continuada para essa comunidade.

“É motivo de orgulho para mim, ser surda e que essa alteridade tenha lugar dentro do MEC, por meio de uma diretoria criada para tratar de políticas bilíngues direcionadas para os surdos, podendo contribuir para a construção de uma educação bilíngue de qualidade. Ainda temos muitas mudanças a serem realizadas, mas fico feliz em perceber que, aos poucos, estamos conseguindo deixar cada vez mais clara a posição da comunidade surda em relação ao tipo de educação que querem receber. Uma educação que priorize sua língua, sua identidade e cultura”, declarou Crisiane Bez Batti.

 

 

Ministério da Educação

Facebook
Google+
Twitter
× Como posso te ajudar?