Paraná prevê nova ampliação de testagem para identificar infectados

 

O Paraná prevê uma nova ampliação na testagem para identificação de infectados pelo novo coronavírus, com reforço em rastreabilidade para isolamento de casos. A informação foi confirmada pelo secretário da Saúde, Beto Preto, em reunião online nesta sexta-feira (28) entre o Ministério da Saúde, Secretaria de Estado da Saúde, Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas).

No encontro, o Paraná foi reconhecido como referência no País pela rede de laboratórios para testagem de identificação do novo coronavírus, com menção sobre a organização dos laboratórios diagnósticos e, também, pela ação de rastreio e monitoramento, em implementação.

Para o secretário Beto Preto, a ampliação na capacidade de realização de exames é uma importante conduta para salvar vidas na pandemia do novo coronavírus. “Com a ampliação da testagem prevista, vamos fazer a rastreabilidade e o bloqueio da transmissão. A rastreabilidade, por meio de identificação dos contatos, é uma forma de identificar pacientes para realizar exames e antecipar o acompanhamento de doentes para agir com mais rapidez e evitar óbitos ou sequelas pela doença”, disse ele.

Beto Preto comentou, ainda, que o trabalho de enfrentamento à Covid-19 é um processo longo e que diariamente são novos desafios. “Ganhamos algumas batalhas, mas continuamos trabalhando e precisamos do apoio e participação de todos nessa grande luta”.

RASTREAMENTO – No início do mês de agosto, o Ministério da Saúde publicou o Guia de Vigilância Epidemiológica – Emergência de Saúde Pública de Importância Nacional pela Doença pelo Coronavírus. O Guia contém orientações sobre como proceder, conceitos e informações sobre a conduta em relação aos casos de suspeitos de infecção, assim como infectados e contatos.

Confira AQUI

VIGILÂNCIA FORTE – O Paraná está em implantação do trabalho de rastreamento e ampliação de testagem em parceria com a Opas, com apoio do Conselho dos Secretário Municipais de Saúde (Cosems).

O diretor de Análise em Saúde da Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério, Eduardo Macário, reconheceu o trabalho do Paraná e destacou a rede laboratorial. “O Paraná já tem uma Vigilância segura e forte. Mas tenho que reconhecer o Estado pela rede laboratorial para a realização dos exames RT-PCR, que é a melhor rede no país”.

O Estado tem dois laboratórios com grande capacidade de processamento que realizam os testes pelo Sistema Único de Saúde: o Laboratório Central do Paraná (Lacen) e o IBMP. Atualmente a capacidade diária é de aproximadamente seis mil resultados. Além destes dois, há outros 28 laboratórios, públicos e privados, habilitados para realização dos exames e cadastrados no Gerenciador de Ambiente Laboratorial.

O diretor-geral da Secretaria da Saúde, Nestor Werner Junior, define como fundamental a testagem RT-PCR e o fluxo organizado pelo Paraná. “Fizemos parcerias, chamamos as categorias e empresas para viabilizar serviços de logística e transporte das caixas para as amostras coletadas em todos os municípios do Estado e conseguimos reduzir o tempo de processamento dos testes, fundamental para o bloqueio da transmissão do vírus.”

Até ao dia 23 de agosto, haviam sido realizados 434.117 exames RT-PCR para identificação do Sars-CoV-2 no Paraná. Do total, somente Lacen e IBMP juntos foram responsáveis por 291.783 exames, o que representa 68% do total de testes.

Macário afirmou ainda que a Secretaria da Saúde está à frente no início do rastreamento e testagem ampliada. “Vocês estão seguindo o que queremos para todos os Estados. O Paraná é a primeira unidade federativa a implantar a testagem e rastreamento”, completou.

FIOCRUZ/IBMP – O Instituto de Biologia Molecular do Paraná é uma instituição vinculada à Fundação Oswaldo Cruz, instalada no Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar). O IBMP é um laboratório de ponta que desde abril reforça o processamento dos exames RT-PCR para identificação do novo coronavírus.

Além dessa característica, o Instituto atua também no desenvolvimento tecnológico, inovação e produção industrial de soluções para a saúde, com destaque para o Sistema Único de Saúde (SUS).

FORMA DE VACINA – O diretor-presidente do IBMP, Pedro Barbosa, explicou que a testagem ampla é uma saída enquanto não há remédio e nem outra possibilidade de prevenção.

“A testagem em massa que conseguimos realizar aqui no Paraná é uma forma de vacina, porque conseguimos acelerar os resultados para agir rapidamente na identificação de contatos e bloqueio de transmissão. Atuamos em uma parceria grande com o Estado e prevemos ampliar a capacidade nas próximas semanas.”

PARCERIAS – Todo o trabalho da Vigilância em Saúde em relação ao rastreamento de infectados pelo novo coronavírus ocorre em parceria com a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), por meio de dois consultores nacionais, Kátia Uchimura e Rafael França, que atuam presencialmente na Secretaria da Saúde, além de toda a equipe da Unidade Técnica de Vigilância, Preparação e Resposta à Emergências em Saúde e Desastres da organização, que atua no suporte técnico para o trabalho em conjunto com a secretaria estadual.

A consultora Kátia Uchimura descreve o trabalho. “A atuação da OPAS tem início na fundamentação teórico conceitual, no alinhamento conceitual da proposta, no desenvolvimento e elaboração da estratégia e também no acompanhamento da execução junto às Regionais de Saúde e aos municípios do Paraná.”

GRUPO DE TRABALHO – A parceria com a OPAS possibilitou a organização de um grupo de trabalho que atua exclusivamente para a condução do rastreamento de casos e medidas mitigatórias para reduzir os impactos do período de pandemia e para a vigilância após a pandemia.

De acordo com o diretor do Ministério da Saúde, Eduardo Macário, a doença mudará de status, assim como ocorreu com a H1N1. “Estamos no meio da pandemia, mas em breve a situação deixará de ser pandemia e o vírus será epidêmico, como já vimos ocorrer em outras situações”.

Participaram da reunião desta sexta-feira (28) representantes de diversas áreas da Secretaria da Saúde, das Regionais de Saúde e dos municípios.

 

 

AEN

Facebook
Google+
Twitter
× Como posso te ajudar?