Pandemia reduz em mais de 50% doação de leite materno em Foz do Iguaçu

No mês dedicado à conscientização sobre o aleitamento materno, a Secretaria Municipal da Saúde adere à Campanha Agosto Dourado, reforçando a importância da amamentação e do trabalho realizado pelo Banco de Leite Humano.

Mantido pelo Hospital Ministro Costa Cavalcanti (HMCC) e Prefeitura de Foz do Iguaçu, com apoio da Itaipu e Rotary Clube Foz do Iguaçu, o banco de leite ajuda as mulheres a iniciar o aleitamento materno e a superar dificuldades. Cerca de 100 mães são atendidas por mês no local. A unidade também realiza a doação de leite materno para bebês prematuros internados na UTI neonatal do Hospital Costa Cavalcanti. São coletados 120 litros de leite por mês para atender cerca de 50 bebês recém-nascidos.

“Graças a essa parceria entre a Prefeitura e o HMCC, temos em Foz um centro especializado em aleitamento materno. Um local que há 20 anos vem ajudando as mães e seus bebês, garantindo maior qualidade de vida para todos”, disse a secretária de saúde, Rosa Maria Jerônymo, que esta semana visitou o espaço e conversou com os profissionais e as mulheres atendidas.

“A equipe do banco de leite realiza um trabalho maravilhoso, que atende não somente a mulher no período de pós-parto, mas toda a família, acolhendo, orientando e tirando dúvidas. É assim que conseguimos conscientizar as pessoas sobre a importância da amamentação”, completou Rosa.

 

Orientações

Segundo a coordenadora do Banco de Leite, Roseli de Oliveira, a maioria das mulheres atendidas consegue obter resultados satisfatórios com a amamentação. “Muitas mães acreditam que não têm leite suficiente, e a maioria têm, mas nunca recebeu a orientação necessária, outras têm dificuldade com a pega correta ou estão com os mamilos machucados, então trabalhamos como uma casa de apoio, construindo alternativas junto com elas para que possam amamentar seus filhos da melhor forma”, explicou.

Com a pandemia, o número de mulheres atendidas reduziu em mais de 50%. A mesma situação também foi verificada com as doações de leite, que apresentaram queda, mas ainda atendem em números satisfatórios. “Logo que começou a pandemia, a gente achava que o banco de leite iria fechar, mas graças a Deus isso não aconteceu e conseguimos manter as doações, apesar de que com número menor”, comentou Roseli.

“Nas últimas duas semanas, com o frio intenso, também registramos uma queda nas doações. Por isso, reforçamos o pedido para aquelas mulheres saudáveis que produzam leite em excesso, que nos procurem e sejam nossas doadoras”.

 

Como doar?

Toda mulher saudável, que não faça uso de drogas, álcool ou cigarro, pode ser doadora. Além de salvar vidas, a doação de leite beneficia a mulher, que volta ao peso mais rapidamente, reduz o risco do câncer de mama, ovários e osteoporose. As interessadas devem entrar em contato com o Banco de Leite pelo telefone 3575-7983. O atendimento acontece de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 18h30.

 

Agosto Dourado

O nome foi escolhido porque a Organização Mundial de Saúde (OMS) considera o leite materno como o “alimento de ouro” para a saúde dos bebês. A proposta é que durante todo o mês o tema seja debatido amplamente, com intuito de informar sobre o aleitamento materno, que deve ser exclusivo até o sexto mês de vida do bebê, se estendendo até os dois anos ou mais.

 

 

 

 

 

Assessoria

Facebook
Google+
Twitter
× Como posso te ajudar?