Prefeitos pedem reforço nas barreiras sanitárias nos aeroportos internacionais

Nesta terça-feira (1º de junho), o prefeito Chico Brasileiro voltou a defender a importância da instalação de barreiras sanitárias na fronteira de Foz do Iguaçu para evitar a proliferação de novas cepas do coronavírus. “Em Foz do Iguaçu, temos uma grande preocupação com o avanço desta cepa (indiana) pelo mundo, pois diariamente recebemos voos dos aeroportos de Guarulhos e Viracopos que são as principais portas de entradas de estrangeiros no país”, disse Brasileiro durante reunião on-line da Frente Nacional dos Prefeitos (FNP).

“Manter um controle sanitário nestes terminais é de extrema importância, pois garante a segurança nos demais aeroportos, a exemplo de Foz”, completou o prefeito no encontro que discutiu medidas sanitárias adotadas nos aeroportos internacionais a fim de evitar a circulação da “cepa indiana” da covid-19.

A reunião teve as presenças de prefeitos e representantes de São Paulo, Campinas, Curitiba, Guarulhos, Florianópolis, Rio de Janeiro, Manaus, entre outras cidades.

Segundo o prefeito de Guarulhos e vice-presidente de Regiões Metropolitanas da FNP, Henric Costa – o Guti, atualmente, o aeroporto de Cumbica recebe 90% dos voos internacionais que chegam ao Brasil e é destino de 100% dos voos vindos da Índia. “Está aí o nosso temor e os pedidos extremos”, disse.

Com as informações dos prefeitos, a FNP enviará um documento ao ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, para que a União, através da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), aperfeiçoe as medidas de segurança, a exemplo da criação de controles sanitários rígidos, de modo que apenas pessoas que apresentem exames negativos para a covid possam embarcar para o Brasil; e no destino, com quarentena eficiente para os que chegam.

 

Fronteiras terrestres

O controle nas fronteiras terrestres é outro ponto de preocupação da FNP, pois, assim como Foz do Iguaçu, há outras cidades, especialmente do sul do Brasil, que fazem fronteira com outros países. Manter o monitoramento epidemiológico é fundamental para evitar o avanço de novas variantes no País. Nos próximos dias, haverá uma nova reunião para tratar especificamente deste tema com os ministérios da Justiça e Saúde.

 

Presenças

Ao todo participaram da reunião representantes de Belém (PA), Campinas (SP), Confins (MG), Curitiba (PR), Florianópolis (SC), Fortaleza (CE), Foz do Iguaçu (PR), Guarulhos (SP), Maceió (AL), Manaus (AM), Porto Alegre (RS), Recife (PE), Rio de Janeiro (RJ), São Gonçalo do Amarante (RN) e São Paulo (SP).

 

 

 

Assessoria

 

Facebook
Google+
Twitter
× Como posso te ajudar?